quarta-feira, 14 de março de 2012

deito minhas dúvidas
no silêncio das areias
o que há de mais profundo

 transparência das águas

8 comentários:

  1. e o fundo se faz raso, sem fazer caso. é assim o homem: transparência líquida como uma magnólia, ainda que triste.

    beijo, dani!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acaso
      um filete de luz na flor
      sangro

      Excluir
  2. obrigada, jorge
    por escrever aqui.

    ResponderExcluir
  3. há letras que respiram sob a pele. sangro.

    ResponderExcluir
  4. talvez seja o silêncio nossa única certeza ante a idolatria das dúvidas.

    prazer relê-la e ser-te lido.

    beijo.

    ResponderExcluir
  5. silêncio é preciso e nada mais.

    cerzir com linhas de horizontes o s ontens que não sonhei.

    ResponderExcluir
  6. que lindas e calmas palavras, este tipo de escrita coloca por terra certas verborragias...gostei muito.

    ResponderExcluir

eu não sonhei, sonhei.